Meios de pagamento: quais aceitar para vender mais na Black Friday

Meios de pagamento: quais aceitar para vender mais na Black Friday

Oferecer um método de pagamento eficiente para os seus consumidores é fundamental para a rotina de um lojista. Numa data em que a expectativa é de uma movimentação de 2,1 bilhões de reais, essa necessidade fica ainda mais explícita. Com uma projeção de 15% de crescimento em relação ao ano passado, a Black Friday 2017 é um evento em que o lojista não pode falhar.

Para melhor sua performance de vendas, é preciso entender o perfil do consumidor no e-commerce brasileiro, saber quais são as formas de pagamento mais utilizadas, os novos métodos para efetuar uma compra e, consequentemente, melhorar o seu rendimento durante o evento. Saiba quais são os melhores meios de pagamento para vender mais na Black Friday:

Aceite as principais bandeiras de cartão de crédito

Mastercard, Visa, Elo, Hipercard, Diners e American Express são as principais bandeiras que circulam no mercado brasileiro: juntas praticamente dominam o Market Share no Brasil com uma fatia de 98%. Ou seja, é fundamental disponibilizar para os seus consumidores o pagamento utilizando os cartões de crédito destas bandeiras.

Outro fator que não pode ser ignorado é a preferência dos brasileiros por pagamentos utilizando essa forma de pagamento. De acordo com o relatório Webshoppers, 62% dos consumidores fizeram sua última compra através de seus cartões de crédito e os outros 38% se dividem em cartões de débito, PayPal e boletos, por exemplo.

Por outro lado, o parcelamento das compras vem diminuindo nos últimos anos. De 2016 para 2017, compras parceladas em duas ou três vezes caíram de 25,1% para 19,4%, já as vendas divididas em quatro ou mais parcelas registraram uma queda de apenas 0,6%. Enquanto isso, os pagamentos à vista cresceram de 42% no ano passado para 48,2% neste ano.

Boletos bancários valem o risco?

Apesar das muitas reclamações de que os clientes geram os boletos, mas não finalizam as compras, a mudança de comportamento do cliente nos últimos anos acaba o transformando em uma alternativa válida.

Os números acima mostram uma tendência de queda no parcelamento e uma maior aceitação dos pagamentos à vista. Influenciado pela instabilidade econômica do Brasil, o consumidor passou a evitar o endividamento em longas parcelas e decidiu pagar suas compras em uma única vez.

Buscando mais descontos e menos parcelas, uma forma de vender mais na Black Friday é oferecer preços baixos para quem optar pelo pagamento através dos boletos, o que também gera uma antecipação do fluxo de caixa para o lojista.

One Click Buy: mais rapidez e mesma eficácia

O mercado de pagamentos digital constantemente apresenta inovações para facilitar as transações bancárias e uma das mais eficientes é o One Click Buy, ou “compra em apenas um clique”. Com esse sistema, é possível armazenar todas as informações dos seus clientes para que, em novas compras, eles não precisem passar por todo o processo de compra.

Com a venda mais rápida e fácil e apenas um clique, as chances de os clientes desistirem da compra é menor, por exemplo, tornando o processo de pagamento mais satisfatório.

Além disso, um fator que vale ser ressaltado do One Click Pay é a segurança. Mesmo com maior velocidade e facilidade no momento do pagamento, os níveis de segurança não sofrem nenhum tipo de diminuição.

Em 2016, de acordo com pesquisa do Reclame Aqui, uma das principais reclamações dos clientes durante a Black Friday foi por algum problema na finalização da compra. Portanto, fica cada vez mais nítida a importância de oferecer uma boa experiência para o cliente durante o processo de pagamento. Além disso, entender as demandas dos consumidores é outro passo para alavancar as vendas durante o evento.

Satisfeito com o processo de pagamento e com suas demandas atendidas, o cliente tem mais chances de realizar uma nova compra no futuro, o número de abandono de carrinho tende a cair e, consequentemente, o lojista consegue vender mais na Black Friday.

Fonte: Gabriel Camargo
Graduado em Comunicação Social pela PUC-Rio, atua como analista de marketing na Stone.